Imagem capa -  Qual o segredo dos grandes mestres da fotografia?  por Edgar Raphael
DidáticoDicas para Fotógrafos

Qual o segredo dos grandes mestres da fotografia?

Sabes qual o segredos dos grandes mestres da fotografia? Quando iniciei o meu percurso, esta foi uma das questões que coloquei.  Até porque queria saber se há um 'lado errado da fotografia'. Há? Na minha ótica, o lado errado é não sabermos que rumo dar ao talento, a uma aptidão inata.

A questão pretende ser mais uma reflexão a acrescentar ao rol das que guardamos na gaveta da velha cómoda lá de casa, à espera de ser aberta,  quando chegar o momento de realizar os nossos sonhos. Pode ser a tua 'Caixa de Pandora'.


A resposta fica em aberto. Será desprovida de sentido? Na verdade, para os amantes da fotografia, os amadores, a inquietação conduz a outras questões tão básicas e legítimas como esta: Qual o segredo dos mestres da fotografia e do fotojornalismo?

Criaram um estilo, especializaram-se?! Pergunta de retórica. Aqui a resposta é óbvia: sim, criaram.

Se a fotografia é uma linguagem artística, então os fotógrafos são artistas e, como um pintor ou um escultor, extraem da realidade, do que sentem e veem. Recriam a realidade aos seus olhos, na sua objetiva.

O artista fotográfico também dá vida a uma tela em branco, também esculpe expressões, conta uma história sem palavras.



"Não acredito na arte, acredito na fotografia"



Portanto, dizer que um artista fotográfico é um fotógrafo, é redutor.

Andy Warhol não era um mero fotógrafo. Figura maior do movimento ‘pop art’, em muitas das suas expressões artísticas, Warhol empregou a fotografia como ponto de partida para as suas serigrafias e restantes obras.

De acordo com Óscar Nates, professor e investigador da Universidade Panamericana, da Cidade do México, Warhol chegou a escrever no seu diário a seguinte frase: “Não acredito na arte, acredito na fotografia”.

Andy Warhol foi “um fotógrafo obsessivo”, considerou o professor, acrescentando: “Calcula-se que o artista realizou mais de 100 mil fotografias entre 1977 e 1987, muitas delas com a sua Polaroid SX70 (que a Polaroid manteve em produção, precisamente para Warhol)”.

O fascínio de Andy Warhol pela fotografia começou quando recebeu a sua primeira máquina fotográfica aos nove anos de idade.



As nossas notas criativas



Grandes nomes da fotografia inspiram-se na obra de Andy Warhol, pintor, ilustrador e cineasta norte-americano, por considerarem que fazia arte sobre o mundo da arte.

As nossas reflexões, a forma como olhamos para os outros ou para o que nos rodeia e como captamos tudo isso é que nos permite mostrar uma obra única.

É o que nos faz evoluir é crescimento, não apenas como artista, mas como pessoa. É nesta premissa que está o nosso diferencial.

Aquilo que distingue a nossa obra das outras é a nossa fortuna interna, as nossas vivências mentais e intelectuais, as nossas superações.

O que distingue o nosso trabalho dos restantes são as notas criativas, o inusitado que imputamos à nossa arte, mesmo que seja em uma simples sessão fotográfica.



E tu, sabes qual é o teu diferencial?

Deixa o teu comentário!