Imagem capa - Quais as tendências do marketing global para 2021? por Edgar Raphael
DidáticoMarketingDicas para Fotógrafos

Quais as tendências do marketing global para 2021?


Sentes que a forma como comunicas com o teu cliente está a mudar e não consegues perceber porquê? Então fica a saber porquê e como as mudanças que estão a acontecer determinam as tendências do marketing para 2021.

Ao longo deste ano, o consumidor deixou bem claro que tem grande expetativas em relação às marcas e, no contexto da pandemia, essas expetativas exponenciaram-se. Consumidores e empresas são, diariamente, confrontados com aquilo a que os especialistas chamam de 'disruptura digital'. Quer isto dizer que, de um momento para o outro, estamos a assistir a  uma metamorfose quase abrupta nos negócios e na forma como consumimos.

 

As empresas melhor preparadas para acompanhar estas mudanças - de acordo com especialistas do setor -, são as que atuam com transparência, que são objetivas e levam em consideração a confiança e a experiência da pessoa, reagindo de forma rápida e em tempo real às necessidades do consumidor.


Em tempos de incerteza, o cenário obriga a modelos de negócio dinâmicos, que se alinhem com as expetativas dos clientes e o setor do marketing não escapa a esta realidade.


Para o próximo ano, os especialistas consideram que a tendência para as empresas do setor passa por oferecer uma boa estratégia de marketing ágil e holístico, alavancado nas reais necessidades dos clientes, envolvendo-os no seu negócio.



Aposta nos canais digitais



Hoje, o consumidor não só é mais exigente, como precisa de ter confiança numa marca ou num produto para o comprar.


Um estudo da Deloitte e da Cisco aponta neste sentido, traçando assim o cenário para a área em 2021.


Perante este novo normal, em que as restrições surgem em sequência do aumento do número de casos de infeções por Covid-19, as empresas precisam ser proativas no seu marketing e comunicação, precisam de continuar a apostar nos seus canais digitais e no relacionamento online com os seus clientes.


Os planos de marketing já não são de longo prazo, mas sim de prazos muito mais curtos. A propósito, é assim que trabalha a Connekt, como se pode ver aqui.



O ‘engajamento’ 



A pandemia acelerou a movimentação online de muitas empresas. A publicidade digital, o marketing social (social media) e o website estão no topo da lista dos investimentos no digital em 2021.


De acordo com especialistas na área, a mudança para o comércio eletrónico será, provavelmente, permanente. Tendo em conta que o marketing direto está em rutura. E mesmo que regresse, e vai regressar, o online já se impôs.


A transformação digital, como serviços online e/ou por assinatura, tornar-se-ão ainda mais essenciais na forma como as marcas abordarão o marketing no futuro.


Vários especialistas defendem que ferramentas digitais como o Zoom, fundamentais para o ‘engajamento’ do clientes, vão manter-se após a pandemia.


Claro que os eventos presenciais vão voltar, mas os especialistas de marketing acreditam que os webinars gozarão de muito mais força.



Dar credibilidade às marcas



A componente virtual vai ser muito mais intensa em todos os setores do que está a ser  durante a crise. E tenderá a evoluir.


As plataformas digitais permitem e vão continuar a permitir, um maior envolvimento das empresas com os seus clientes, enriquecendo as suas experiências.


Por exemplo, as experiências digitais vão permitir que as empresas conheçam melhor as preferências dos seus clientes e o que tipo de produtos e serviços funcionam melhor e que eles consideram mais autêntico.


Repare-se: ‘influencers’ tiveram, e têm, uma legião de fãs, porque, ao identificarem-se com o produto que promovem dão mais credibilidade à marca. E as marcas perceberam que é assim que estão mais próximas dos seus clientes. 



O marketing da confiança, da empatia e da flexibilidade 



O sentimento de pertença, de comunidade, é algo muito humano. E neste tempo em que os afetos estão condicionados, esta ação ganha uma dimensão brutal.


A pandemia está a acelerar a transformação digital de muitas empresas que são agora obrigadas a interagir virtualmente com os seus clientes e a aumentar a sua presença online. As vendas online, o chamado e-commerce, tende a crescer exponencialmente.


Estamos na Era da Digitalização e o marketing continua a ser muito importante para o sucesso dos negócios.


Para os profissionais de marketing, o cenário atual é a oportunidade e o desafio de colocarem em prática a criatividade das equipas.


Claro que todos nós estamos ansiosos para que as redes pessoais, a colaboração ‘face to face’ regressem, mas é garantido como o online se vai manter. Na verdade vão coexistir de um modo muito mais fluído. Este será o novo normal, sempre adaptado às necessidades dos clientes.


Em alguns países há empresas que estão a apostar mais vincadamente na ‘gig economy’, ou seja, na contratação de freelancers a nível internacional, porque as tecnologias digitais permitem abrir o leque de colaboradores das empresas. Empresas estas que acreditam no valor da diversidade para o seu crescimento. E acreditam nesse potencial para oferecer mais valor e melhores serviços aos seus clientes.


Mas também porque, com a atual realidade, é mais do que certo que a atenção ao cliente aponta para o 24/7 (24 horas/7 dias da semana) e isto obriga a mudanças nas empresas, nos horários dos colaboradores. Obriga a uma flexibilidade que antes não se impunha.



Confiança, empatia e flexibilidade 



O marketing mudou. E é feito de mudanças. E hoje, mais do que nunca, as marcas têm consciência da necessidade de criar empatia com o seu cliente, que procura cada vez mais o que é genuíno.


Um estudo no Reino Unido concluiu que mais de 60 por cento dos grandes decisores de negócio, acreditam que o Branding e o RP são os elementos mais importantes das suas estratégias de marketing.


As empresas que durante esta crise tiverem ações positivas para com os seus clientes, são aquelas que irão prosperar depois. As que se aproveitarem da situação ficarão na memória pelos piores motivos.


Os clientes querem marcas ou empresas confiáveis, que sentem que os apoiam em cenários como este.


Por isto é tão importante manter o melhor relacionamento com os clientes, estabelecer ligações constantes com eles, apoiá-los nas suas necessidades. As empresas que conseguirem fazê-lo durante este período sairão mas fortes depois da pandemia.



O trabalho hídrido



No atual contexto, há que pensar mais além e propor aos clientes, por exemplo, parcerias com outras empresas, não necessariamente da mesma área de negócio. Mas parcerias que façam sentido para as marcas.


O futuro é incerto, mas há constantes que se manterão em 2021 para o setor do marketing, como o uso de plataformas e ferramentas digitais (para melhorar o atendimento ao cliente e a produtividade); o trabalho híbrido (presencial e à distância); entender as necessidades e experiência dos clientes com tato/sensibilidade; ver no novo normal uma oportunidade e ter capacidade de adaptação (resiliência) e ser capaz de sublinhar o valor do marketing e transmiti-lo às empresas.


Em síntese, o estudo da Deloite e da Cisco indica sete tendências do marketing para 2021: Propósito, Agilidade, Experiência humana; Confiança; Participação; Fusão, Talentos.


Qual a tua opinião sobre as tendências para 2021?

O teu comentário é importante!